Editorial: Ô, abre alas que… é preciso pensar!