SÃO JOÃO DEL-REI, Terça-feira, 23 de Setembro de 2014  •  Ano XIV  •  O Jornal do Campo das Vertentes

Tradição da Semana Santa começa amanhã

Todos os anos, centenas de fiéis participam da celebração de Domingo de Ramos com o bispo diocesano - Foto: Arquivo Gazeta

Todos os anos, centenas de fiéis participam da celebração de Domingo de Ramos com o bispo diocesano - Foto: Arquivo Gazeta

Mais de 300 anos de celebrações durante a Semana Santa reafirmam a fé dos são-joanenses e visitantes que, em determinadas liturgias realizadas na cidade, chegam até a 20 mil pessoas por dia.

“As cerimônias acontecem em todo mundo. O que é específico em São João del-Rei são os três Ofícios de Trevas que, de maneira completa, só ocorrem aqui. Os ofícios são celebrados na Quarta-feira Santa, à noite; na Sexta-feira Santa, de manhã; e no Sábado Santo, também pela manhã.

Além disso, há o Sermão das Sete Palavras, na sexta-feira; e no Domingo de Páscoa, momento em que o bispo retira as sete espadas da imagem de Nossa Senhora das Dores. Outro costume das pessoas é de visitar os passinhos, que são representações de cenas evangélicas, na Quinta-feira Santa”, disse o pároco da Catedral do Pilar, padre Geraldo Magela da Silva. Segundo ele, essas são celebrações muito próprias da cidade.

“Em São João del-Rei o povo vive a religiosidade. É algo muito forte na vida das pessoas daqui e isso se manifesta através da beleza das celebrações. A fé se mostra pela beleza da arte, da música e da cultura. Por isso vem tanta gente de fora encantada com a nossa devoção”, afirmou o pároco.

Ele ainda lembrou que na Semana Santa celebra-se o mistério central da fé católica, que é o Mistério Pascoal, da ressurreição de Jesus. “Ele nos trouxe a salvação. O grande sentido da Semana Santa é celebrar a Páscoa”, disse padre Geraldo.


Domingo de Ramos
“Nessa data celebramos a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém para nos salvar, assumindo a cruz”, lembrou o pároco do Pilar. Na celebração cada fiel deve levar seu ramo, que será abençoado para a procissão.


Ofício de Trevas
Na Quarta-feira Santa, os fiéis são convidados a contemplar a Paixão de Cristo através de salmos e leituras. “Vamos revivendo a paixão do nosso Senhor”, lembrou padre Geraldo.


Lava-pés
Já na Quinta-feira Santa começa a celebração do Tríduo Pascoal. “Comemoramos a presença de Jesus na eucaristia e a instituição do sacerdócio. Celebramos o gesto do lava-pés, quando Jesus lavou os pés dos discípulos, deixando a mensagem ‘amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado’”, disse o pároco.

Além disso, nesse dia, às 9h30, haverá a Missa da Umidade, que acontece somente nas Catedrais e é o momento em que os padres e o bispo renovam suas promessas sacerdotais. Há também a bênção dos óleos dos enfermos, dos catecúmenos e do óleo da Crisma.


Descendimento da Cruz
Segundo Padre Geraldo, a Sexta-feira Santa é o momento em que ocorre maior participação popular na cidade, quando há a contemplação de Jesus morto na cruz. “Essa é a representação do momento em que ele deu sua vida para nos salvar”. Também nessa data os católicos se privam de comer carne vermelha.


Vigília Pascoal
Na liturgia da Igreja, esse é o momento mais importante da Semana Santa. “Nessa celebração comemoramos a ressurreição de Jesus”, disse o pároco.


Domingo de Páscoa
“Temos uma grande festa como prolongamento da celebração da Vigília Pascoal”, disse padre Geraldo lembrando ainda que na data comemora-se o renascimento de Jesus, terminando a Quaresma.

Além disso, na última celebração do dia o bispo retira as sete espadas da imagem de Nossa Senhora das Dores e coloca nela uma coroa.

“Esses objetos representam as sete dores de Nossa Senhora, que presenciou o sofrimento de Jesus e agora, sem as espadas, se transforma na Senhora da Alegria por ter participado da ressurreição”, disse o pároco.

 

Turismo e fé se misturam na Semana Santa em São João del-Rei

Turismo e fé se misturam na Semana Santa em São João del-Rei



Deixe um comentário


Matérias relacionadas