? Acontece | Gazeta de São João del-Rei - O Jornal do Campo das Vertentes
SÃO JOÃO DEL-REI, Quinta-feira, 20 de Julho de 2017  •  Ano XIX  •  O Jornal do Campo das Vertentes

Acontece

Mundo afora
Quando a proposta é viajar pelo Velho Mundo, o tour pode ir dos cartões postais a roteiros exóticos. Mas qualquer que seja a escolha, uma coisa é certa: lugares de muita história e beleza esperam pelos viajantes. Foi assim com Osvaldo Baccarini Costa e Marília Costa Silva, em 33 dias de turismo pela Europa.A temporada europeia, que alternou viagens em grupo e a dois, passou pela Turquia, França, Inglaterra, Itália, Alemanha, Bélgica, Holanda e Suiça, com tempo suficiente para imersão na cultura dos países visitados.

Osvaldo e Marília em Paris: giro pela Europa em viagem perfeita. Foto: Acervo Pessoal

Osvaldo e Marília em Paris: giro pela Europa em viagem perfeita. Foto: Acervo Pessoal

Viagem e cultura
“Me impressionei com a beleza de Versailles, a riqueza do Vaticano, os monumentos, a história viva”, disse Osvaldo Baccarini, que destacou a cidade medieval de Brugge (Bélgica) como um dos pontos altos da viagem. E não é para menos. Em uma área correspondente ao Brasil, dezenas de países abrigam civilizações e culturas de milhares de anos. Já Marília se encantou especialmente por Paris, onde o casal permaneceu cinco dias e elogiou a receptividade do povo francês. “Eles sabem que o turismo está entre as grandes fontes de renda do país”, comentou Osvaldinho, que já planeja novos roteiros, como a Costa Amalfitana, em breve.

 

A família cresce
A felicidade é grande para a linda Marcella Morgana e Diego Banko com a chegada de Nathan, segundo filho do casal, que vem fazer companhia a Cauã, de um ano e sete meses; um xodó na família. Os avós são Luciana das Mercês e Jorge Luiz dos Santos; e Dieter Banko e Marizia Valéria da Silva (in memoriam). Parabéns a toda a família!

 

Jornal do Poste
Se hoje São João del-Rei conta com um curso superior de Jornalismo, um canal de TV, jornais impressos e emissoras de rádio AM e FM, nem sempre foi assim. Na década de 50, nascia na cidade uma publicação – o Jornal do Poste – que se tornou conhecido nacional e internacionalmente não só pela singularidade e pioneirismo de seu formato, mas também pelo seu valor informativo e credibilidade. Na próxima sexta-feira, 17, o idealizador e fundador do Jornal do Poste, o saudoso jornalista Joanino Lobosque, completaria 100 anos. Ave, Joanino! São João del-Rei lhe deve esta homenagem!

Jornalista Joanino Lobosque: 100 anos de nascimento do fundador do lendário Jornal do Poste. Foto: Acervo Pessoal

Jornalista Joanino Lobosque: 100 anos de nascimento do fundador do lendário Jornal do Poste. Foto: Acervo Pessoal

Centenário
De família italiana, João Lobosque Neto, conhecido como Joanino Lobosque, era o diretor, repórter e redator do Jornal do Poste, fundado em 1952 e oficializado em 1958. Mas era também (e primeiramente) fiscal fazendário e dono do bar Bife de Ouro, de onde muitas vezes saiam as notícias para o impresso.“Lá, o ‘jornalista Juanino’ ouvia rádio até de madrugada a fim de ‘se informar’ para depois informar”, como ele dizia. Redigia sempre uma versão pessoal das ocorrências que ouvia e tinha uma filosofia: “Uma briga num bar daqui é mais importante pra nós do que uma revolução no outro lado do mundo”, conta o jornalista Ivan Santos em sua coluna do Correio de Uberlândia. O Poste já foi também considerado o jornal mais ágil do Brasil, chegando a publicar três edições diárias. “Bastava que coisas importantes acontecessem”, disse o jornalista Antônio Emílio da Costa em seu blog Tensões e Quarentenas.

 

Família
Em quase três décadas de dedicação e paixão jornalística, Joanino fez a popularidade e credibilidade do Jornal, que passou a ser sustentável graças aos anunciantes, atraídos pelo interesse de todas as classes pelas edições. Torcedor fanático do Minas Futebol Clube, era também colecionador de cobras, mantendo um serpentário com jibóias e outras espécies em sua própria casa. Seresteiro, tocava violão e violino (adorava os tangos argentinos) e fundou um grupo de seresta do qual participavam Agostinho França, Aldo Lobo, Zé Feio, Vavá, entre outros. Sua descendência soma hoje seis filhos, nove netos e dois bisnetos. Primogênito entre os netos e admirador do avô, Flávio Lobosque Lima fala da celebração familiar pelo centenário, em data a ser definida.“Não vamos deixar a data passar em branco. Queremos fazer jus à memória do jornalista e cidadão atuante em tantas frentes”, disse.

 

Hoje
Com a morte de Joanino, em 1986, o Jornal foi vendido, mas chegou a ser premiado pela Associação Interamericana de Imprensa como “Publicação Jornalística Original”. Com o passar do tempo e as novas mídias que tudo transmitem em tempo real, o jornal não tem hoje a mesma abrangência de quando chegou a 15 murais em pontos estratégicos da cidade. Joanino, no entanto, continua na memória dos são-joanenses como o pioneiro que inspirou a criação de todos os jornais murais da região.

 
Casamento
História de amor com final feliz, o casamento de Chaira Araujo e Jonatas Coelho, na Igreja de São Francisco, foi pura emoção. Construído passo a passo, evidenciou fortes laços de tradição, sintonia entre os noivos e entusiasmo.O resultado dessa união, que pela força do amor, encurtou distâncias entre o sonho e o grande dia, foi só alegria. No sorriso dos protagonistas a certeza de que a vida vale a pena!

Porte de princesa: Chaira ao lado do pai, Nadir, rumo ao altar. Foto: Studio Marie / Divulgação

Porte de princesa: Chaira ao lado do pai, Nadir, rumo ao altar. Foto: Studio Marie / Divulgação

A hora do sim
Sob as bênçãos de seus pais Marilda Araújo e Nadir Belo de Araújo; Neuza de Oliveira (in memoriam) e Valdir Coelho; os noivos Chaira e Jonas subiram ao altar. Na capela-mor, a delicadeza das flores brancas. O noivo abriu os cortejos ao som de Perhaps Love e foi com lágrima nos olhos que caminhou ao lado de seu pai. Foi a vez dos padrinhos e sobrinhos do casal como pajem e dama. Toque de clarins anunciou a Ave Maria para a entrada da noiva, ainda mais linda em traje sob medida, detalhado em patchwork de renda. Longo véu e bouquet do rosa ao branco complementaram o traje. Pe. Hilton foi o celebrante e a ele coube o brilho da cerimônia. Entre os grandes momentos, entrada das alianças pelo sobrinho Guilherme e chuva de arroz selando os rituais.

Vale lembrar que os anéis usados pelo casal pertenceram aos pais do noivo. Em sua aliança, Jonatas homenageou a mãe, Neuza, falecida há 30 anos, mantendo seu nome ao lado da nova gravação com o nome de Chaira.

 

Noite de festa
Noivos e seus pais receberam os cumprimentos no Armazém de Festas Cravo & Canela em festa reservada aos familiares e mais íntimos amigos. De longe já se via o cuidado com que tudo foi preparado, do voil que imprimiu charme e leveza ao espaço à linda mesa do bolo e doces, escolhas da noiva, que optou pelo branco total.

Os noivos Jonatas e Chaira em cenas do grande dia. Foto: Studio Marie/ Divulgação.

Os noivos Jonatas e Chaira em cenas do grande dia. Foto: Studio Marie/ Divulgação.

Celebrando a união
Os noivos chegaram em carro antigo e tiveram entrada triunfal, com direito à tradicional valsa com os pais. A surpresa veio com a coreografia especialmente ensaiada pelos recém-casados, motivo de vibração total entre os convidados. No mais, os belos rituais de casamento com brindes na bela mesa de doces e bolo e fotos (muitas fotos!) até a hora de se esbaldar na pista e jogar o bouquet. Ao final da maratona de emoções, a satisfação pelo que foi vivido e guardado para sempre na memória das nossas preciosidades.

O casal Chaira e Jonatas: ensaio pelo Centro Histórico. Foto: Studio Marie/ Divulgação

O casal Chaira e Jonatas: ensaio pelo Centro Histórico. Foto: Studio Marie/ Divulgação

 

Você pode ir para o final e deixar um comentário.

2 Comentários para “Acontece”

  1. NADIR ARAUJO disse:

    Lembrando um dos dias mais feliz da minha vida,casamento da minha filha querida Chaira Araujo Com meu genro Jonatas Coelho.
    bjos a todos

    Nadir Araujo

  2. SAMUEL ARCANJO DE PAIVA disse:

    Não poderia deixar passar essa oportunidade para falar de um homem que causou-me até inveja por não compreender como uma pessoa, humana como eu pudesse, nesse mundo de meu Deus, com todos os desatinos dessa vida,ser possuída de tanto entusiasmo no seu trabalho de levar ao povo o exemplo de capacidade, a vontade do entusiasmo medido em seus gestos humanos.
    Joanino Lobosque esse nome para mim é o sinônimo de fenômeno desde os áureos tempo de minha mocidade, lá pela década de 50. Todos os dias, fizesse sol ou chuva, eu saía de casa, descia a ladeira do Bonfim, para ler o JORNAL DO POSTE. Eu era jovem não havia nenhum problema em ficar ali em pé por horas, junto com um monte de aficionados e companheiros de todos os dias, para ler as últimas noticias da cidade e do mundo.O homem Joanino Lobosque escrevia com perfeição e entre vírgulas, exclamações,interrogações e pontos ele conseguia atrair a atenção dos seus leitores. As suas informações era o Padre Nosso do povo e o exemplo de trabalho sem trégua, honesto, a todos àqueles que desejam fazer algo de bom e proporcionar o bem de todos.
    Não para por aí, além de tudo o Joanino era musicista, tocava violino e, com seu conjunto nas noites de sábado, alegrava os clientes que frequentavam o seu Bar bife de Ouro.Ali cantava-se de tudo desde: valsas antigas, sambas, fox americanos… mas o Joanino adorava o tango pegava o seu violino e deliciava o povo com sua imitação de Carlos Gardel e “abria os pulmões”nas noites de sábado do Bife de Ouro.
    O seu entusiasmo pela vida chegava aos campos de futebol e o Minas Futebol Clube era seu clube de “coração.” Ele com seu espírito de luta e que era inerente ao seu ser,levava para arquibancada a paixão de um homem que sabia viver.

    SAMUEL ARCANJO DE PAIVA -VERÍSSIMO-MG.- 11/JULHO/2015

Deixe um comentário