? Editorial: A Arte do Cotidiano | Gazeta de São João del-Rei - O Jornal do Campo das Vertentes
SÃO JOÃO DEL-REI, Terça-feira, 23 de Maio de 2017  •  Ano XIX  •  O Jornal do Campo das Vertentes

Editorial: A Arte do Cotidiano

Todos nós ainda precisamos aprender: arte está em nossas veias e no nosso cotidiano. É claro que se destaca sob os holofotes de palcos em teatros, na estrutura de museus, na acústica de auditórios e extrapola paredes chegando às intervenções de rua, aos shows em praças, aos desenhos em espaços improvisados.

Em São João del-Rei, está ali na arquitetura de seus templos, nas imagens que saem em procissões esculpidas cuidadosamente por artistas locais, no barracão das escolas de samba nas comunidades, nos projetos sociais ensinando canto, dança, traços a crianças e adolescentes.

Está, inclusive, nas nossas atuações cotidianas. Sim, além de protagonistas da nossa existência, não podemos negar que somos grandes atores. Afinal, quem é que nunca sorriu quando, no fundo, a vontade era chorar? Quem é que nunca postou uma frase otimista em redes sociais quando, internamente, tinha dúvidas sobre o que seria do amanhã?

Há, ainda, os que transformam tudo isso em inspiração. Seja para uma narrativa cheia de suspense numa mesa de bar. Seja para uma composição musical. Seja para uma poesia. Nenhuma dessas modalidades existe sem interpretação, sem colocar o coração no que se diz. E é nisso que o Mais Minas No Memorial aposta em sua quarta etapa, a ser realizada gratuitamente na quarta-feira, 24, enquanto transita ainda pelo cenário histórico da Inconfidência Mineira. Tudo isso em um solo que, lembra bem o diretor artístico do Teatro da Pedra, Juliano Pereira, é tão rico em raízes associadas às artes cênicas quanto o é de notas musicais.

Cortinas abertas, também, com o Tiradentes Em Cena, marcado para começar ontem, 19, e com programação que se estende até o dia 27 levando ao público, também de forma gratuita, mais de 20 atrações. Em pauta, a questão da tolerância. Algo que precisa existir de forma honesta. Sem interpretações. Boa leitura.

Você pode ir para o final e deixar um comentário.

Deixe um comentário