? Artigo: Como proteger o filho sem estar por perto? | Gazeta de São João del-Rei - O Jornal do Campo das Vertentes
SÃO JOÃO DEL-REI, Domingo, 17 de Dezembro de 2017  •  Ano XX  •  O Jornal do Campo das Vertentes

Artigo: Como proteger o filho sem estar por perto?

por Fabiany Lima

Notícias sobre a negligência de um funcionário que deixou o portão aberto e a criança saiu sozinha da escola, alguém que se distraiu e a criança desapareceu enquanto brincava no quintal de casa ou uma brincadeira entre alunos que acaba em tragédia, infelizmente isso pode acontecer com qualquer pessoa, com a vizinha, com você, com seu filho. E o que fazer a respeito, como prevenir ou proteger nossos filhos dessas situações que podem ter um final desastroso?

Com informação e orientação, a melhor proteção que a criança tem quando está sozinha é a sua formação, seus valores e seu conhecimento. Esses fatores vão determinar a forma como ela vai reagir caso seja convidada a dar um passeio sem autorização dos pais ou dos responsáveis, se um estranho oferecer um doce ou se um coleguinha fizer um desafio que a coloque em risco.

Crianças passam por muitos desafios emocionais como a vontade de se mostrarem independentes, o medo de desapontarem os adultos ou a necessidade de se sentirem socialmente aceitas. Mas é importante entender que esses sentimentos são normais e que a criança precisa saber como lidar com eles. É difícil falar hipoteticamente, expô-las às notícias e fatos reais pode ser um pouco chocante, então como encontrar o jeito certo de fixar a informação sem ter o risco de que a criança decida fazer exatamente o contrário em um momento de raiva?

Informação indireta é uma maneira de resolver esse impasse, disponibilizar conteúdo, leituras, ambientes que façam com que a criança possa descobrir sozinha o que deve ou não fazer e onde ela tenha oportunidade, de forma controlada e segura, de se ver em situações de decisão. Dessa forma, ela pode e deve usar sua base intelectual e moral para seguir em uma direção ou outra.

O papel dos pais é de orientar, guiar e preparar. Não dá para viver a vida dos seus filhos, colocá-los em uma redoma, porque em algum momento eles vão estar “sozinhos”. Seja na escola ou dentro de casa, vão aparecer situações de perigo inimagináveis e se a criança não tiver noção do perigo, de responsabilidade e de personalidade, será muito difícil evitar um problema. Pode ser que nunca aconteça, mas se acontecer, você vai preferir que seu filho esteja preparado.

Dê para seu filho o que ele realmente precisa: amor e informação.

* fundadora de um aplicativo multilíngue de educação que ajuda pais e professores, por meio de histórias e jogos, a conversar com as crianças sobre questões importantes que devem enfrentar durante o crescimento

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *