? Artigo: Brasil aumenta exportação de talentos em TI | Gazeta de São João del-Rei - O Jornal do Campo das Vertentes
SÃO JOÃO DEL-REI, Segunda-feira, 16 de Julho de 2018  •  Ano XX  •  O Jornal do Campo das Vertentes

Artigo: Brasil aumenta exportação de talentos em TI

Por Paulo Exel

Os profissionais brasileiros estão cada dia mais interessados em carreiras no exterior. Nos últimos anos, foi perceptível esse movimento, principalmente em se tratando do segmento de tecnologia. De acordo com um levantamento feito pelo Ministério da Fazenda, em 2017 houve um aumento de 165% no número de brasileiros que deixaram o país (21.717) na comparação com 2011 (8.170). Na área de TI, os países que mais requisitam brasileiros são Estados Unidos, Canadá e Austrália.

O curioso é que o interesse não parte apenas dos profissionais, mas também das empresas estrangeiras. Os brasileiros são vistos como versáteis, criativos e resilientes. Essas são habilidades cada dia mais valorizadas no atual cenário econômico, onde os ciclos de mudanças estão mais curtos e a realidade das empresas mais volátil. Nesse cenário, somos vistos como ágeis, objetivos e pragmáticos na resolução de inúmeros problemas.

Contudo, apesar de estarmos mais requisitados nos mercados internacionais, o choque de cultura e a adaptação dos profissionais brasileiros no exterior ainda são uma barreira. Temos características muito singulares no dia a dia de trabalho e, quando imigramos para outro país, precisamos nos moldar ao ambiente corporativo local. Respeitar a cultura é essencial, ainda que não estejamos de acordo. Pontualidade, por exemplo, costuma ser regra básica em muitos países, enquanto aqui somos mais flexíveis quanto a essa questão.
Nesse sentido, se você almeja uma carreira internacional, a primeira coisa a fazer é pesquisar sobre o país em que deseja atuar. Entender os hábitos locais e o clima são questões fundamentais para analisar o nível de compatibilidade entre o que você espera e o que o país pode te oferecer.

Tendo essa decisão em mente, é hora de analisar as regras e as questões práticas. Identifique se a sua graduação é aceita no país. Hoje em dia é fácil encontrar essa informação. Procure validar o seu diploma dentro dos órgãos competentes. Se não for, busque saber se existe algo que seja equivalente e comece a atualizar seu currículo a partir daí. Caso tenha dupla cidadania, isso poderá te ajudar nesse processo e deve ser evidenciado no seu currículo internacional. Logicamente, é imprescindível o domínio em um segundo idioma. Ainda que você não tenha conhecimentos sobre a língua local, saber se comunicar bem em inglês, o idioma universal, é fundamental.

Faça uma breve pesquisa de pré-requisitos, habilidades e características que são exigidos do profissional que está dentro da posição que deseja exercer no exterior. Se essa posição estiver dentro da sua área de atuação e de acordo com seu perfil, o caminho tende a ser mais fácil. Outros elementos, como cursos de especialização que sejam válidos, podem ajudar. Caso contrário, você necessariamente precisará de mais tempo e esforço para atingir esse objetivo.

Se você já trabalha em uma empresa multinacional, com políticas estruturadas de expatriação, o caminho pode ser bem mais curto. Demonstre essa intenção para o seu gestor imediato e procure entender quais são os procedimentos necessários para aplicar para uma oportunidade em outra localidade. Se isso não for possível, ou se a empresa não for uma multinacional, acione sua rede de networking e busque ajuda nesse sentido.
No geral, os profissionais que tem maior interesse em tornar a carreira internacional e, consequentemente estão entre os mais cotados para cargos no exterior, são jovens de 23 a 33 anos. Em sua maioria, esses profissionais já dominam um segundo idioma e possuem uma boa formação acadêmica. A habilidade empreendedora, ou seja, esse espírito desbravador e corajoso, são aspectos importantes de serem encontrados.

O empenho e esforço dedicados em suas carreiras estão intimamente ligados ao sucesso. É importante colocar energia no que trará resultado, seja no curto, médio ou longo prazo. Nesse sentido, ter um plano de carreira é indispensável. E, não se esqueça, saber onde se quer chegar é o primeiro passo para pensar estrategicamente e executar ações focadas para atingir seus objetivos. Depois que o plano estiver traçado, arregace as mangas, e boa sorte!

* administrador de Empresas com MBA executivo em  Gestão de Negócios e certificação em coaching