? Pelas Esquinas: Tópicos | Gazeta de São João del-Rei - O Jornal do Campo das Vertentes
SÃO JOÃO DEL-REI, Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2018  •  Ano XXI  •  O Jornal do Campo das Vertentes

Pelas Esquinas: Tópicos

O MAIS MÉDICOS II
Em poucos dias, inscreveram-se para ocupar as 8,3 mil vagas dos médicos cubanos, chamados de volta, intempestivamente, pelo governo de Cuba, mais de 24 mil médicos brasileiros, três vezes mais que as vagas. Haverá uma seleção, é claro, mas a assistência à saúde não ficará sem solução. Ainda não se sabe quantos, mas muitos médicos cubanos se recusam a voltar a Cuba.

Na minha opinião, e não falta quem seja contra ela, médicos formados em Escolas de Medicina Públicas, ou seja, estudantes cujos estudos são pagos com os impostos que nós, os contribuintes, pagamos, deveriam trabalhar pelo menos um ano nos locais indicados pelo governo, remunerados devidamente, lógico. Simples questão de justiça. E ainda vou mais longe: a regra não deveria ser apenas aplicada aos estudantes de Medicina, mas também a outros profissionais recém-formados. Trata-se de uma boa pauta para discussão parlamentar que, infelizmente, nunca foi levantada por nenhum dos nossos representantes. E nem creio que o seja algum dia.

Hoje sabemos, finalmente, o que ocorreu realmente com o Mais Médicos de Dona Dilma. O governo petista, na moita (sem autorização do Congresso), financiou a empresa Odebrecht com verba do BNDES (quer dizer, verba do tesouro nacional) em obras do Porto de Mariel em Cuba. O governo cubano ofereceu o Mais Médicos ao Brasil com a condição do governo brasileiro pagar, do combinado por cada profissional, 30%de salário ao médico e 70% ao governo cubano. Com o recebido, o governo cubano pagava o que devia ao Brasil pelas obras no Porto de Mariel! Isto é que é um negócio da China! Ops! Um negócio de Cuba!

DIA DA CIDADE

Dia 8 de dezembro, a partir de 20 horas, o Centro Cultural Feminino, ali na Rua da Cachaça, está recebendo a galera para comemorar o aniversário da cidade com o Palco Livre. Quem quiser canta uma música, quem quiser recita um poema, quem quiser tocar uma melodia. E o papo rola nas mesas na data magna de São João del-Rei. Encontro de aniversário citadino.