? Pelas Esquinas: Tópicos | Gazeta de São João del-Rei - O Jornal do Campo das Vertentes
SÃO JOÃO DEL-REI, Quarta-feira, 22 de Maio de 2019  •  Ano XXI  •  O Jornal do Campo das Vertentes

Pelas Esquinas: Tópicos

RANKING
A LIESA, Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro, publicou o ranking das agremiações carnavalescas de acordo com a performance das Escolas no período de 1985 a 2018. As seis primeiras colocadas seguem abaixo:

1) Beija-Flor – 468 pontos
2) Acadêmicos do Salgueiro – 324 pontos
3) Imperatriz Leopoldinense – 315 pontos
4) Estação Primeira da Mangueira – 291
5) Mocidade Independente de Padre Miguel – 259 pontos
6) Portela – 215 pontos

A HORA DO ESTANDARTE
Pela sétima vez, o ESTANDARTE DEL-REI vai contemplar as Escolas de Samba do desfile oficial pela performance das agremiações em dez quesitos que fazem parte do desfile das agremiações na passarela do samba: Porta Bandeira e Mestre Sala, Ala de Baianas, Enredo, Comissão de Frente, Intérprete de Samba Enredo, Bateria, Samba Enredo, Madrinha de Bateria e, finalmente, Melhor Escola de Samba. O troféu é um estímulo para aqueles que se dedicam com carinho e devoção à manutenção de uma das tradições mais bem conservadas da cidade, o carnaval de rua. Participando ativamente do projeto, coordenado por Antônio José, o Centro Cultural Feminino, na ocasião da entrega dos troféus em sua sede, na Rua da Cachaça, no dia 7 de março, às 20 horas, fará também, pelo segundo ano consecutivo, a entrega de placas de Honra ao Mérito a duas personalidades que fazem parte da História do Carnaval de Rua são-joanense: Waldomiro José de Paulo (o popular Sabará), e respeitado ex-dirigente da Unidos de São Geraldo, João Bosco Coelho, carnavalesco consagrado de várias Escolas de Samba e, inclusive, criador do Bloco Disneylandia e da Escola de Samba Papillon Dorée.

COMEÇA A FOLIA
O carnaval propriamente dito começa hoje, mas a cidade já vive há mais de uma semana os festejos de Momo com a participação efetiva dos chamados Blocos de Rua. Esta tradição que começou há mais de 30 anos vem sendo, a cada ano, mais concorrida. Antigamente, e eu estou falando da década de 1950 e 60, os Blocos existentes não desfilavam fora dos dias de carnaval. O primeiro Bloco que surgiu desfilando no alvorecer do sábado de carnaval foi o “Alvorada”. O primeiro a desfilar no sábado anterior ao carnaval foi a “Bandalheira”. Hoje, os Blocos de rua, numerosos, são pré-carnavalescos na sua maioria. Só para recordar: em 1965, ano do primeiro desfile oficial, só existiam duas entidades com estrutura de Escola de Samba: a Depois Eu Digo e a Unidos do Largo da Cruz que fazia, naquele ano, o seu primeiro desfile.

BAIXOU A TRISTEZA
Na minha frente, uma foto antiga da bateria da Qualquer Nome Serve. A foto é de 1962, cinco anos depois do primeiro desfile da entidade, então um simples bloco, apesar do nome, com não mais que 45 componentes, quinze na bateria. E na foto, empunhando o surdo de marcação, no qual era mestre, meu amigo Nenem Missionário, que faleceu no começo desta semana em Belo Horizonte. Triste, muito triste.