? Mãe: Uma Tarefa de Amor | Gazeta de São João del-Rei - O Jornal do Campo das Vertentes
SÃO JOÃO DEL-REI, Quarta-feira, 22 de Maio de 2019  •  Ano XXI  •  O Jornal do Campo das Vertentes

Mãe: Uma Tarefa de Amor

Ser mãe é uma das missões mais nobres que há no mundo, justamente por isso não é uma tarefa fácil, há quem diga que ter filhos é padecer no paraíso, pois eles são os motivos das maiores alegrias e também de tristezas. Gerar um filho garante à uma mulher umas das sensações mais especiais do universo, uma vida que nasce de outra vida e que se tornam ligadas para sempre.
A maternidade é banhada pelo amor incondicional, pela busca de conforto e bem-estar, por noites mal dormidas, horas extras de trabalho e muita, muita alegria. Cada sucesso de um filho se torna também a realização de uma mãe, o orgulho que muita das vezes se converte em lágrimas de alegria é prova disso. Quem nunca viu uma mãe se gabando pelas conquistas de seus filhos?

O amor se manifesta pelo cuidado através de ordens diárias: pegue o casaco, coma tudo, não volte tarde, não entre em carro de estranhos… Seria impossível traduzir a intensidade desse amor. Sentimento que pode chegar de surpresa ou muito bem planejado. No início pode ser receio, mas depois… Um sorriso inocente de uma criança transforma a maneira da mulher enxergar o mundo.

Planos
Casar e ter filhos, foi assim o destino planejado com cuidado em cada detalhe para que Fabiana Resende Brighent Miranda aproveitasse ao máximo as etapas da nova fase. E assim aconteceu, hoje mãe do Francisco já com um ano, ela conta que antes entendia como maternidade algo muito pequeno em relação a tudo que aprendeu e continua aprendendo a cada dia. “Antes de engravidar, eu achava que ser mãe era uma dádiva de Deus, como ainda acho. Porém não pensava sobre as responsabilidades da maternidade. Hoje eu percebo que ser mãe é um presente bem maior do que eu imaginava. A felicidade é imensa e realmente é um amor até então desconhecido, mesmo com todos os desafios que a maternidade nos apresenta no dia a dia”.


Liliane Deorce também planejou ter filhos. “No auge dos meus 30 anos tive uma dúvida cruel em terminar a faculdade de Relações Públicas ou ser mãe. Aí tranquei a matrícula e fui ser mãe. Realizar o sonho da maternidade, ser mãe-torista para levar a escola, ballet, aulas de circo e etc”. Essa história ainda tem uma parte curiosa, além de planejar ter filhos, Liliane e o marido Laudenir, ainda pensaram que eles poderiam fazer aniversário nos mesmos meses que eles. Então a primeira filha do casal, Giovanna, nasceu em setembro de 2011, mês de nascimento da mãe. O segundo filho do casal tinha data prevista para nascer dia 1º de fevereiro de 2016, sendo do mesmo mês do pai, mas o Lorenzo foi apressadinho e veio ao mundo no dia 23 de janeiro. “Ser mãe é algo sublime, pleno! A realização de muitas mulheres. Mãe…. palavra pequena, mas sagrada. Ela não dorme, as vezes não come na hora certa, as vezes não tem tempo pra se cuidar e ir ao banheiro, mas é prazeroso… Consegue segurar em seu colo 1, 2 , 3, as vezes 10 filhos e se mantém forte”. Conta a mãe coruja.

Surpresa
“Foi um susto muito grande aos 17anos de idade, no terceiro ano do ensino médio, rumo à uma faculdade descobrir uma gravidez. Foi um choque, sofri demais no começo, pois não era hora nem momento pra ter um filho. Minhas expectativas de vida eram outras aí tudo veio na cabeça,‘meu Deus será se consigo ser mãe?’. Depois tudo foi um ‘mar de rosas’, foram vários os momentos felizes da minha vida desde o nascimento dela até hoje. O sorriso, as brincadeiras e até mesmo as pirraças. Tenho a maior benção do mundo, tudo o que sou devo a ela, eu vivo por ela” o relato de Hendieny Teodósio, mãe da pequena Lorena, mostra uma realidade comum nos dias de hoje, o medo da maternidade durante a adolescência.


Hoje, aos 22 anos, Hendieny tem outro ponto de vista sobre a maternidade, para ela ser mãe trouxe maturidade, responsabilidade, cuidado e força para dar muito amor e conforto para sua filha, superando todas as privações que a maternidade a trouxe. Espera poder ser muito mais que uma mãe, mas também uma grande amiga de sua filha.