? Artigo: DIA DOS NAMORADOS: AOS SOLTEIROS COM TODO MEU CARINHO! | Gazeta de São João del-Rei - O Jornal do Campo das Vertentes
SÃO JOÃO DEL-REI, Quinta-feira, 27 de Junho de 2019  •  Ano XXI  •  O Jornal do Campo das Vertentes

Artigo: DIA DOS NAMORADOS: AOS SOLTEIROS COM TODO MEU CARINHO!

Por Helaine Silva Borges 

Um dia me disseram que ser solteiro (a) é um ato revolucionário, incomoda a sociedade tradicional,em sua maioria, leva em consideração a marca da heteronormatividade. Normalmente, a sociedade vai questionar o fato de você não ter encontrado alguém e até mesmo te classificar de encalhado (a). Curiosamente, constatei que o homem possui uma maior liberdade para iniciar um relacionamento o mais tarde possível, através do estereótipo de “não quero me envolver com ninguém!”. No entanto, quando ele o faz, alguns afirmam que o sujeito está criando juízo, tal fato fomenta angústia, não consigo associar relacionamento necessariamente a juízo. Além disso, raramente é dito a uma mulher. A crença que permeia a sociedade é que quando uma mulher inicia uma relação, ela está cumprindo uma espécie de obrigação, cumprindo seu papel de mulher na sociedade contemporânea.

Diversas vezes, o termo solteiro (a) é utilizado de forma pejorativa, já ouvi frases com o seguinte teor: “Cuidado para não ficar solteirona/ solteirão!” Ter um relacionamento, portanto, é um dever social. Nossa sociedade tradicionalista, independente do que estejamos fazendo, presume que estamos à procura de uma relação. Recordo que no decorrer de minha infância e adolescência, o objetivo principal de algumas meninas (me incluo) era sempre ficar bela para os meninos e competir entre si. Éramos ausentadas de quaisquer perspectivas maiores, sonhávamos em casar, ter filhos e um belo lar! Talvez, por isso, exista a crença enraizada de que toda mulher está em busca de um homem ou precisa de um homem para ser feliz!

Aprendi com o passar dos anos que estar solteiro(a) não representa uma dor terrível de uma existência fracassada. Pelo contrário, a arte de estar bem consigo mesmo é melhor do que estar bem com todo mundo. No entanto, tenho constatado que o fatídico dia 12 de Junho, faz com que muitos se sintam como fracassados, alguns chegam a reproduzir um discurso de ódio contra as demonstrações de afeto, talvez, uma forma de revidar a pressão social que todos sentimos. A sociedade, parece, que cobra de todo mundo a necessidade de viver uma vida a dois, como se as pessoas solteiras fossem, na realidade, incompletas. Não é raro encontrarmos sites e aplicativos que prometem o encontro com a alma gêmea, suscitando a visão distorcida das relações amorosas.

Precisamos perceber que a felicidade não está condicionada ao estado civil da pessoa, estar solteiro ou acompanhado não torna ninguém mais ou menos feliz, simplesmente porque a felicidade começa dentro de cada um. Não há nada de errado em estar solteiro, independente da idade, ou qualquer outra coisa, o que importa é estar feliz com a vida que se vive.
Não nos esqueçamos: Não precisamos desenvolver uma relação apenas para provar socialmente que podemos ser amados. Vamos aproveitar o tempo de solteirice para investir em autoconhecimento! Caro amigo (a) olhe para dentro de si! Faça projetos, construa caminhos e então, comece a caminhar. Se prepare, seja sempre, sua melhor companhia!

*Psicóloga